Sábado, 26 de Agosto de 2006

Agosto na ria

Mês de Agosto a despedir-se, lá fora os últimos sons de uma noite quente, acordes que já parecem transmitir um pouco da nostalgia das coisas que acabam…
Mês em que a cidade abarrotou como todos os anos como se não houvesse altura melhor para férias do que o mês de Agosto, compreende-se que algumas pessoas não terão mais alternativas pela natureza do emprego, pelas férias dos filhos, etc.…mas e as outras pessoas que podiam escolher outro mês para descansar esquecendo que o ano tem doze meses…
Praias? Para ficar com uns dois metros quadrados em que estendo a mão para apanhar o chapéu e apanho um chinelo deixado à pressa por quem já correu para a água e tem de estudar bem a rota para não chocar com braços, pernas e afins?!
Festinhas? Para quê, se já temos tantos decibéis a perfurarem-nos os tímpanos em autenticas discotecas ambulantes todos os dias?
Este ano a má-educação aprimorou–se mais do que em anteriores anos, notei isso em muitos locais, principalmente em grandes supermercados, num deles fui testemunha de um episódio caricato, um senhor de calção e t-shirt que ficou completamente possuído por maus instintos por uma senhora lhe ter passado à frente, a senhora não fez bem, claro que não, mas é obvio que ele teria de ter estado com atenção a quem lhe passasse à frente sorrateiramente mas o pior de tudo é que o senhor colérico começa a queixar-se da coitada da rapariga da caixa que cabisbaixa tentava despachar a bicha a tempo recorde e como ela permanecesse calma exigiu falar com o gerente, aí disse em altos berros:
- Quando chegar a Lisboa(aqui, ele encheu muito o peito)eu trato disto, isto não fica assim!
Saí do supermercado e ele ainda lá ficou completamente alucinado.
Dará prazer passar umas férias assim?
E depois há os condutores, este pequeno Autódromo transformou-se num autêntico Hipódromo de má-formação.
Um destes dias lá venho no meu carrito, pronta para estacionar num dos lugarezinhos disponíveis quando em sentido contrário para chegar antes de mim, estaciona um carro, o lugar seria para mim, se fossemos pela ordem natural de numeração, mas não ligaria a esse pequeno pormenor, há que desculpar, dar um desconto, há poucos lugares para estacionar, o presidente não quer carros na cidade, etc. etc. se não fosse o dito senhor encurtar o trajecto pondo o carro estacionado em sentido contrário ao lógico, saio do carro, entrelaço o cabelo nos ramos e folhas da arvore que estão à minha espera, olho para o carro, para o senhor e nada digo, mas os meus olhos devem ter dito algo porque ele diz-me em tom de desdém:
-   Ó minha cara, não me diga que não cabem aqui dois carros?! (Aqui, este quase rebentou o peito)
-   Claro, tanto cabem que já estão estacionados, mas acha que o seu está bem estacionado?
-   Ora, se aparecer a polícia pago a multa, minha cara! Mas eu tiro o carro se é isso que quer!!!
-  Não precisa estar com esse trabalho! Por quem é! Eu vou estacionar mais abaixo, sou moradora aqui mas não faz mal, até faz bem andar a pé, volte sempre, boas férias!
Não esperei por resposta. Sou uma santinha!
Agosto está a acabar, que saudades das minhas dunas em pleno Agosto, onde quase não precisava de protector solar, que saudades daquele dia em que os únicos na praiazinha éramos eu e uma amiga a torrar ao sol numa amena cavaqueira, maminhas ao léu e de repente constatamos que afinal não éramos as únicas quando vimos um homenzinho todo atrapalhado a desfazer-se em mil desculpas correndo atrás das folhas do jornal!
Sinto-me: nas dunas(ainda lá estão...)
Escrevinhado por gaivota da ria às 00:07
| Quer Comentar? | Ver comentários (32)
|
Domingo, 13 de Agosto de 2006

Quando é que será quando...

Quando é que o cativeiro

Acabará em mim?

E, próprio dianteiro,

Avançarei enfim?

 

Quando é que me desato

Dos laços que me dei?

Quando serei um facto?

Quando é que me serei?

 

Quando ao virar da esquina

De qualquer dia meu,

Me acharei alma digna

Da alma que Deus me deu?

 

Quando é que será quando?

Não sei. E até então

Viverei perguntando:

Perguntarei em vão.

 

(Fernando Pessoa)

 

Escrevinhado por gaivota da ria às 00:08
| Quer Comentar? | Ver comentários (34)
|
Sábado, 5 de Agosto de 2006

Quero lá saber...

Escrevinhado por gaivota da ria às 00:30
| Quer Comentar? | Ver comentários (20)
|

◊◊◊ ver perfil

◊◊◊ seguir perfil

◊◊◊ A minha velha ria...

◊◊◊ arquivos

◊◊◊ Abril 2007

◊◊◊ Março 2007

◊◊◊ Fevereiro 2007

◊◊◊ Janeiro 2007

◊◊◊ Dezembro 2006

◊◊◊ Novembro 2006

◊◊◊ Outubro 2006

◊◊◊ Setembro 2006

◊◊◊ Agosto 2006

◊◊◊ Julho 2006

◊◊◊ Junho 2006

◊◊◊ Maio 2006

◊◊◊ Abril 2006

◊◊◊ Março 2006

◊◊◊ Fevereiro 2006

◊◊◊ Janeiro 2006

◊◊◊ Dezembro 2005

◊◊◊ Novembro 2005

◊◊◊ Outubro 2005

◊◊◊ Setembro 2005

◊◊◊ Agosto 2005

◊◊◊ Julho 2005

◊◊◊ Junho 2005

◊◊◊ Maio 2005

◊◊◊ Abril 2005


◊◊◊ Voos recentes

◊◊◊ Dois anos depois...

◊◊◊ Cansaço...

◊◊◊ Agora "semos" all-garvios...

◊◊◊ Nós, as mulheres...

◊◊◊ "Etiqueta" no gato

◊◊◊ Com o meu silêncio...

◊◊◊ Sentir assim...

◊◊◊ Praga acorrentada

◊◊◊ Três anos apenas...

◊◊◊ Bom Ano Novo

Obrigada Sofia pela atribuição deste prémio: